Como era a vida na aldeia?

Afinal, como é que era viver antes do telemóvel?

E como é que podemos recuperar essas raízes e essas partes de nós?

Antigamente, quase ninguém ia à escola, poucos sabiam ler e mesmo assim as histórias não ficavam esquecidas no tempo. Eram passadas do pai para o filho, do avô para o neto.

Aquelas receitas deliciosas que continham ingredientes secretos e mágicos eram passadas da mãe para a filha e depois da avó para a neta.

Aquelas brincadeiras no quintal nunca cansavam e nunca aborreciam. Começavam de manhã e só terminavam ao sol posto.

Havia vida nas ruas e todas pessoas falavam umas com as outras. As festas na aldeia eram grandes acontecimentos sociais e as pessoas reuniam-se todas para festejar. E claro, ao domingo ninguém esquecia a missa e depois dava dois dedos de conversa no adro na igreja. Antes da chegada da televisão era assim, mas depois, tudo isto mudou e agora com os telemóveis nem se fala…

E como recuperar esse tempo?

Voltar a estes tempos únicos é simples, mágico e só quem passa pela experiência é que consegue perceber o impacto que ela pode ter em nós.

Voltar a estes tempos é voltar a um tempo em que tudo passa mais lentamente, com mais calma e mais paz. E mesmo devagar, havia tempo para tudo.

A vida na aldeia

O ritmo da aldeia é mais lento, mais parado porque o agricultor não pode acelerar o crescimento das plantas, o nascimento dos animais, quando chove, quando faz sol, tudo tem o seu tempo e a sua época.

A natureza tem o seu ritmo e cabe ao homem ouvi-lo e interpretá-lo para conseguir tirar proveito disso para conseguir sobreviver.

As tarefas do campo são pensadas para que cada semente que seja semeada, tenha as condições ideais para crescer e se tornar uma planta que vingue e se possa tornar alimento.

Para isso é preciso tempo e silêncio…

E isso é possível, nas Aldeias do Zêzere.

Em casas e pátios pitorescamente decorados com peças únicas de artesãos locais, criamos um alojamento único assente na filosofia de permitir a todos voltar a sentir e a viver a aldeia e o interior.

Assim que aqui chegar, vai ser recebido como se estivesse a ser recebido pela sua avó, ou por uma qualquer avó numa casa da aldeia.

Cada hóspede é como um neto que é abraçado de forma única pela sua avó.

Chega, pousa as suas malas e descansa no pátio ou, se for dos mais aventureiros, parte imediatamente à aventura e descoberta dos lugares mágicos que rodeiam a casa da aldeia.

Vai desvendar a história e, quem sabe, descobrir mistérios por estes eucaliptais adentro…

Aqui, nas Aldeias do Zêzere…

Somos pela paz
Somos pela natureza
Somos pelo equilíbrio entre o bem estar do homem e da natureza
Sabemos que as questões ambientais são uma preocupação global devido à sua gravidade e dimensão, causado ao longo de anos descontroladamente e acreditamos que é urgente tomar medidas para criar estabilidade no presente e de prevenção futuras
Somos pela sustentabilidade
Somos pela família, pelo carinho que os nosso avós nos deixaram, mas também pela sua cultura e tradições pelo que nos comprometemos a dar continuidade a isso
Somos pela nossa terra, pela nossa gente mas também por si que o acolhemos e queremos que leve memórias incríveis deste lugar
Somos pelo rio, pelo orvalho, pela água que bebemos
Somos pela terra que cultivamos
Somos pela vida e de igual importância de todos os seres da terra
Vamos caminhar juntos e fazer deste sítio um local melhor para todos nós.

Sonhámos, criámos

Um dia, sonhámos com isto: ensinar aos mais novos tudo sobre a vida de antigamente na aldeia.

Só conhecendo as nossas raízes e a nossa história é que podemos, efetivamente, crescer e ter sucesso no presente e no futuro.

Hoje, temos o Google para nos ajudar com todas as nossas dúvidas.

Mas aqui, nas Aldeias do Zêzere, continuamos a preferir os sábios conselhos dos anciões, portadores do seu conhecimento adquirido pela experiência de vida, que ainda desprovidos de instrução escolar têm muito para ensinar.

Voltar às origens muitas vezes é a única forma de o homem se encontrar e perceber como viver em paz consigo e como em união com os outros.

A nossa vida e aquilo que fazemos pode ter um impacto positivo na vida dos outros e no mundo em que vivemos.

Voltar ao meio onde somos naturais é estarmos na natureza.

Estarmos próximos da terra e dos animais é vivermos em comunidade. Onde cada qual tem o seu papel a desempenhar e dependemos de todos para sobreviver.

É neste espírito que se vive na aldeia, mas no fundo é neste espírito que todos devíamos viver porque o homem foi feito para viver em sociedade e pode viver isolado do grupo porque não é tão feliz nem tão bem-sucedido.

E é neste espírito que o convidamos a conhecer a aldeia e a participar nas atividades que lhe propomos.

Porque tudo o que queremos é que parta das Aldeias do Zêzere mais feliz e bem consigo.

 

Venha experimentar esta vida simples da aldeia, com tanta coisa para lhe ensinar!